Curitiba: 41 3019-3006 | Bal. Camboriu/SC: 47 3361-0400
Palhoça: 48 3242-3009 | Florianópolis/SC: 48 3236-3006

Como a família, os amigos e os bons hábitos ajudam a lidar com o luto

Como a família, os amigos e os bons hábitos ajudam a lidar com o luto

Quando nos deparamos com a morte de um ente querido é inevitável termos que lidar com o luto. A forma como fazemos isso pode variar de pessoa para pessoa e de acordo com as circunstâncias da perda o impacto pode ser ainda maior, como no caso de uma morte inesperada, por acidente, por exemplo. Mas seja como for, a maneira de lidar com o luto envolve ter apoio familiar, contar com o suporte dos amigos e buscar seguir os mesmos hábitos por mais difícil que isto pode ser. E além disso, também é importante compreender que é preciso passar pelas cinco etapas do luto estabelecidas pela psiquiatra Elisabeth Kubler-Ross (negação, raiva, negociação, depressão e aceitação), como já destacamos no Portal Vaticano.

O apoio da família no luto para seguir em frente

Momentos dolorosos como a perda de um pai, de uma mãe ou de um filho trazem uma carga emocional de muita tristeza que por vezes se torna barreiras. Barreiras estas que que podem parecer intransponíveis. É neste contexto que o apoio da família se faz necessário. Não só por compartilhar a dor da perda, mas por ajudar a fortalecer laços e unir ainda mais todos em torno das lembranças e de tudo o que viveu e fez o ente que partiu.

Em suas palestras, o tenista Gustavo Kuerten, mesmo depois de tanto tempo, sempre se emociona ao lembrar da morte do pai, Aldo, seu grande incentivador na carreira como atleta. No dia em que perdeu o pai, Guga, então com 11 anos, estava disputando um torneio em Curitiba e voltou às pressas para Florianópolis sem saber o motivo. Ao chegar, antes mesmo de entrar em casa, recebeu o abraço da mãe, Alice.

Naquela noite, ele, a mãe e os irmãos Rafael e Guilherme dormiram todos juntos. “A mãe reuniu nós três e disse: amanhã nós vamos seguir em frente e vamos acordar para o que vier”, contou ele em recente palestra em Florianópolis. Para Guga, o que a mãe fez foi muito mais importante do que um título em Roland Garros. “Ela trouxe vida para três pessoas”. Guga deu a este momento uma outra simbologia. Foi uma “vitória emblemática de vida”, como ele chama, logo após o adeus ao pai.

O suporte dos amigos e a importância dos hábitos

A presença dos amigos também ajuda a lembrar que a vida segue em frente, como fez Guga com sua família. Isso reforça a ideia de que o luto não precisa ser necessariamente um período de sofrimento. É importante ter com quem conversar, expressar o que se sente. Depende muito de como cada pessoa age e lida com a morte, mas guardar para si toda a tristeza pode não ser o melhor a fazer. Por isso, conte com os amigos para colocar o que sente para fora, espairecer e reduzir um pouco mais o peso da perda.

O luto pode ser também um momento para reencontros com amigos, mas também consigo mesmo. Retomar antigos hábitos, por exemplo, relacionados ou não com o ente querido, podem servir para vivenciar a perda de uma forma menos impactante para sua saúde física e mental. Por que não reunir os amigos para fazer trilhas? Ou participar de atividades como corridas e caminhadas ou voltar a assistir um jogo do seu time de futebol? Estas são formas de dar novo significado para a perda, ajudando a elaborar melhor não só o que ocorreu, mas principalmente o que está por vir: sua vida, seus sonhos e seus projetos.

Importante sempre lembrar que não há regra quanto ao tempo de duração do período de luto. Isso depende de cada pessoa, da forma como ela reage e lida com a perda. Mesmo com o apoio da família e dos amigos não é possível saber se irá durar mais ou menos tempo.  Por conta disso, esteja sempre atento. Ao perceber que a intensidade do luto (em você ou em um familiar) está alta, se prolongando e refletindo em ações do dia (falta de apetite, problemas na escola, abandono de emprego…), busque sempre a ajuda especializada de um psicoterapeuta. Será um apoio importante para a organização mental e a diminuição de sensação de angústia e caos gerada pela morte do ente querido.

Todas as notícias

NÓS LIGAMOS PRA VOCÊ!

Como conheceu a Vaticano?*
Portal Vaticano 2018 © Todos os direitos resevados | Por: Agência Nectarina