Ansiedade e depressão em tempos de COVID-19. Por Andréa Arruda.

A pandemia do coronavírus impactou a sociedade e todos os indivíduos em diversas áreas.  Uma mudança brusca no cotidiano das pessoas fez com que o surgimento de sintomas depressivos e ansiosos, ficasse em evidência independentemente da idade, devido à incerteza e o medo. A ansiedade pode ser definida como um sentimento de insegurança e temor associado à preocupação excessiva com algo que ainda não aconteceu, mas que pode ocorrer, fugir ao controle e dar errado. Contudo, foi necessário instalar o isolamento social para diminuir a propagação do vírus e o número de casos. Trazendo para o convívio familiar uma nova rotina tanto de trabalho bem como de lazer. Tais medidas tem significado para grande parte da população um sofrimento, sendo privadas de seus relacionamentos, e seu direito de ir e vir.

Imagem/ internet

O medo de ser contaminado pelo vírus e consequentemente contaminar a família, passou a ser um pesadelo entre as pessoas, causando assim experiências desagradáveis em relação aos sentimentos. Cada pessoa é única, sente e reage a situação de uma maneira. Sentimentos de medo, confusão mental, a sombra da morte que ronda tal momento, tem causado ansiedade e tristeza profunda. Tais reações podem ser leves e passageiras, podendo o próprio indivíduo achar um caminho que o tire desta tristeza, como por exemplo: o uso da internet de forma a visitar novas páginas, fazer novos amigos. Em contrapartida algumas pessoas não conseguem sair dessa tristeza o que as leva a depressão, que é um transtorno mental caracterizado por tristeza persistente e pela perda de interesse em atividades que normalmente são prazerosas, acompanhadas da incapacidade de realizar atividades diárias.

Todos nós estamos vulneráveis a reações psicológicas em todos os momentos de nossa vida, mas de maneira alguma tais sintomas devem ser vistos com vergonha, utilizando-se deles para se isolar cada vez mais.  As consequências podem ser sintomas físicos como: dores de cabeça, insônia, palpitação, alterações de humor, frustração, incapacidade de controlar emoções e chorar com muita facilidade, sentimentos de desorientação. Não somos preparados para passar por turbulências como a pandemia, e já estamos há um tempo vivenciando experiências negativas. É importante estar atento a esses sintomas, se forem sentidos com muita frequência podem ser considerados como perigo à vista, onde o quadro de ansiedade ou depressão podem tornar-se graves.

Tanto a ansiedade como a depressão precisam ser tratados logo no início. Pessoas mais fragilizadas que já passaram por algum trauma precisam de um olhar ainda mais atencioso. No caso da depressão não tratada ela poderá evoluir e levar o indivíduo a um episódio de suicídio. A insegurança diária frente a tantas mortes apresentadas na mídia, causam ansiedade a ponto de levar a pessoa em busca de conforto para aliviar a dor psíquica em drogas ou bebidas alcoólicas.

Portanto, ansiedade e depressão devem ser tratadas por profissionais qualificados. A importância de consultar um médico de confiança, bem como o profissional psicólogo que estará apto a ajudar o indivíduo a recuperar a qualidade de vida, mesmo em tempo de pandemia, de modo que sentimentos como medo e negatividade poderão ser transformados. Mesmo que você não tenha nenhum dos sintomas descritos, cuidar da saúde mental em psicoterapia se faz necessário. Procure um profissional hoje mesmo.

 

Por Andréa Arruda – Psicóloga Clínica - Contato - 47 98426-9307

CRP 12/20615

Parceira Vaticano em Santa Catarina

 

Veja também:

Sequelas pós-covid-19? Quais são?

Acesse o link: https://www.portalvaticano.com.br/noticias/sequelas-pos-covid-19

 


Compartilhe essa notícia:

A Vaticano possui a mais completa estrutura para melhor atender seus clientes, contando com Capelas de Velório, Cemitério, Crematórios, Crematórios Pet, Floricultura e Distribuidora de Flores. Buscamos constantemente o aprimoramento no atendimento às famílias enlutadas e de nossos profissionais. Estamos sempre em busca de inovações no setor. É uma empresa de origem familiar, e hoje, é administrada pela terceira geração.