7 de Abril -Dia do Jornalista!

O Dia do Jornalista é comemorado no dia 7 de abril e foi instituído em 1931, por decisão da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), como homenagem ao médico e jornalista Giovanni Battista Líbero Badaró, morto por inimigos políticos em 1830.

 

A principal função do jornalista é informar, denunciar, ajudar a orientar a sociedade em meio aos acontecimentos atuais sobre o que ocorre próximo a todos nós. Hoje vivemos um “fenômeno” com a velocidade das informações causado pelo surgimento das mídias sociais, porém muitas informações são publicadas de formas erradas sem devida apuração ou sem respeitar os critérios da noticialidade, prejudicando muitas vezes a qualidade de uma notícia que é uma construção de processos, conteúdos e relações sociais. Por isso, trabalhar com jornalismo é preciso ter consciência e muita responsabilidade social, checar todos os lados envolvidos e apurar os fatos de uma forma imparcial, sendo desta forma, o resultado certamente será de qualidade e ao mesmo tempo de muita credibilidade.

Por estarmos vivendo um momento delicado por conta da pandemia, infelizmente é necessário informar o que ocorre dentro de nossos hospitais, o número de óbitos, o enfraquecimento da economia, não podemos fugir da nossa realidade, sabemos que estas notícias possui uma conotação negativa, mas são necessárias. Lembrando que o papel do jornalista é exatamente esse, informar sempre com responsabilidade. O jornalismo é uma atividade fundamental para a sociedade.

E aproveitando que hoje é o Dia do Jornalista convidamos alguns jornalistas que fazem parte do nosso convívio e que possuem um papel muito importante em nossa sociedade na apuração de informações, na construção de uma notícia com credibilidade e que certamente, uma dessas notícias já chegou até você!


Carla Lima, jornalista RPC

"Ser jornalista já foi um grande sonho que realizei de forma muito sofrida. Foi um processo de luta diária para trabalhar e pagar a faculdade, até o dia em que formei e vi todas as portas fechadas na profissão. Mas não desisti, eu repetia todos os dias "eu batalhei muito pra chegar até aqui, isso tudo não foi em vão " e não foi mesmo. Consegui entrar no mercado super concorrido onde estou até hoje. Hoje vejo o jornalismo com outros olhos, e sei que a profissão está em constante mudança, vejo o jornalismo como uma profissão base para adaptar em outras profissões.  Vejo que o jornalismo não muda, mas nós mudamos diante das notícias e da realidade de um mundo que às vezes só a gente enxerga! Mas que nosso olhar sempre enxergue a verdade, nunca a mentira, essa é nossa raiz. Esse é o nosso destino! Um viva para quem não mente"!!!


Lorena Malucelli, coordenadora de jornalismo da BandNews FM

“Buscar saber um pouco de tudo, correr contra o tempo na apuração da informação e se emocionar com cada notícia. Jornalismo não é só repassar a informação. É buscar formas de melhorar o seu bairro, a sua cidade e até mesmo o seu país. É conscientizar que cada um pode fazer a sua parte, principalmente para combater a pandemia. É mostrar também boas notícias, para que a vida fique mais leve diante de tanta coisa ruim”.


Dirk Lopes, produtor de pautas da Band TV Paraná e da rede

Exercer a profissão de Jornalista é decidir e escolher a todo momento o que é importante e necessário que a população saiba. É filtrar e diferenciar o que é fato do que é fake. Em tempos de pandemia o Jornalismo tem papel fundamental para apurar, checar, verificar e pode significar a diferença entre a vida e a morte. Se “a internet deu voz aos imbecis” (Umberto Eco, 2015) o jornalista tem que dar voz à verdade, após apurada, checada e confirmada.


Adriana Brum, jornalista e assessora de comunicação da Prefeitura de Curitiba

Como jornalista, temos o compromisso diário de informar e esclarecer a população sobre temas que contribuam para que exerçam sua cidadania. Atualmente, temos um desafio extra: o de reafirmar a credibilidade do bom jornalismo. A imprensa combate diariamente as fakenews, que não só tentam desacreditar o bom jornalismo como colocam em risco a vida e segurança da população.


Patrícia Vieira, editora do Jornal Industria e Comércio

Eu costumo dizer que ser jornalista é o que eu sei fazer de melhor, nunca tive dúvida do que eu queria ser, mas o jornalismo mudou muito, a tecnologia, o celular, as redes sociais transformaram a profissão de quando eu entrei na faculdade há quase 20 anos para hoje. Os desafios diários não são poucos e em especial na minha área, o jornal impresso, sempre escuto que vai acabar e talvez esse dia chegue, mas enquanto não chegar me dedicarei por informações de verdade e por fazer bem feito.


Natalia Filippin - Repórter do G1 Paraná

"Fazer jornalismo é missão diária de levar os fatos à sociedade de maneira mais verdadeira e completa possível. Exercer essa profissão em tempos de pandemia é ainda mais desafiador, pois exige uma responsabilidade maior, já que além de números, estamos tratando de vidas. O jornalismo me tira do conforto, me emociona, me faz olhar diferente, me faz gente. Que eu possa ser sempre a voz de quem mais precisa".


Aline Peres, jornalista Rede Massa

Ser jornalista é movimento. Em 30 anos dessa jornada da roda gigante é uma rotina de lágrimas no olho, sorrisos de vitórias individuais e coletivas, sustos, agenda e bom relacionamento. E muito, mas muito empenho para dar o melhor. Eu acordo respirando notícia. Eu durmo pensando na suíte de um assunto. E, tudo bem. Porque, enquanto jornalismo for missão estou no caminho certo.


Fernanda Deslandes, jornalista da Ric TV  com especialização em Ciências Forenses, Criminologia e Direito Penal

Me tornei Jornalista para ajudar pessoas. Estudei e me especializei em várias áreas para fazer isso com excelência. Como pauteira, acordo e vou dormir pensando no que pode render uma boa matéria, com boas imagens, e que possa orientar a população, inspirar ou fazer Justiça. Todos os dias busco as melhores fontes, as informações mais precisas. Tenho a consciência tranquila de priorizar a ética e, apesar de receber pedradas de quem não conhece o mecanismo da informação, tenho orgulho da minha trajetória e sei que sempre fiz o meu melhor. Jornalismo é informação selecionada e apurada, é levar os fatos a quem não conseguiria conhecê-los sozinho. É minha entrega.


Alethea Corrêa, jornalista da Vaticano

O que mais me motiva em ser jornalista é a chance de aprender sempre. Não tenho obrigação de saber tudo, mas tenho o privilégio de poder aprender sobre um pouco de tudo. Pra mim ser jornalista é ter uma função social onde eu posso compartilhar informações que possam transformar a vida de algumas pessoas. Trabalho sempre com muito cuidado e respeito com as palavras, uma vez que estou focada cem por cento no setor funerário. E neste caso, para mim é um desafio todos os dias, transformar a história de vida de um ente querido em uma história contada em palavras, por exemplo, e ver a gratidão dos familiares, isso não tem preço. Ser jornalista é saber interpretar o mundo da forma que tem que ser, sempre com a verdade.


Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade - Frase normalmente atribuída a George Orwell, mas que foi dita por William Randolph Hearst.

 

 


Compartilhe essa notícia:

A Vaticano possui a mais completa estrutura para melhor atender seus clientes, contando com Capelas de Velório, Cemitério, Crematórios, Crematórios Pet, Floricultura e Distribuidora de Flores. Buscamos constantemente o aprimoramento no atendimento às famílias enlutadas e de nossos profissionais. Estamos sempre em busca de inovações no setor. É uma empresa de origem familiar, e hoje, é administrada pela terceira geração.