Budismo e ritos fúnebres

Budismo e ritos fúnebres

No Budismo as cerimônias fúnebres são inspiradas nos familiares dos falecidos, na esperança e na determinação de alcançar a suprema felicidade, ou seja, a iluminação, o estado de Buda. Os budistas acreditam que durante a vida treinar a mente a pessoa estará tranquila e serena quando a morte chegar, o que garantirá um renascimento afortunado. Pois acreditam na reencarnação, e para que a transição da vida para morte ocorra de uma maneira tranquila a mente tem que ser sutil. Buda compara o processo de morrer e renascer com o ciclo de dormir, sonhar e despertar”, diz Ani-la.

Eles acreditam que toda ação influencia decisivamente na vida futura. Para Buda se a pessoa quiser saber quem foi no passado, basta olhar sua vida no presente. Durante a cerimônia funeral os budistas procuram o equilíbrio e ajudar os amigos ou parentes que estejam morrendo. Evitam o choro, o desespero para que a mente da pessoa falecida permaneça positiva. A cerimônia é realizada com louvor a vida da pessoa e ao mesmo tempo ao estado de Buda existente em cada ser humano.

Divulgação

De acordo com a Monja Coen, no Japão é colocado flores dentro do caixão, além de uma tigela com arroz cozido, água, um vaso com flores, velas e incensos são colocados sobre uma mesa para que nada falte para o falecido. Na verdade, os seguidores do budismo possuem vários rituais, um deles é o powa (transferência da consciência) é quando toda prece feita com intenção de ajudar o morto traz benefícios. O daimoku quando recitado pelos parentes do falecido e amigos atinge de uma maneira a pessoa que morreu que o ajuda a se fundir tranquilamente com a vida do universo.

Os budistas não passam pelo luto eles dedicam seus pensamentos positivos e preces para a pessoa que morreu. Porém em locais mais tradicionais no Japão, existem famílias que guardam até 49 dias como sinal de respeito pela pessoa que morreu. Pois tem um sutra budista que diz que “o ser humano tem oportunidade de renascer a cada sete dias, repetindo esse ciclo sete vezes”. E por este motivo é realizada a cerimônia do sétimo dia por conta de ser a primeira oportunidade de renascimento, e no 49º dia por ser a última oportunidade de renascer.

Cremação na religião budista

A cremação é considerada tanto na Índia como no Japão e também nos EUA como meios adequados para se dispor de um corpo sem vida. E o Budismo é a favor da cremação, na Índia por exemplo, as cremações são feitas em piras funerárias abertas – estrutura feita de madeira onde o corpo é colocado para ser “queimado” ao lado do Rio Ganges onde as pessoas podem assistir à cremação. No Budismo a maioria das pessoas são cremadas e as cinzas são colocadas em uma urna de porcelana que é colocada dentro de uma caixa e um tecido brocado em cima. Após são levados para os cemitérios ou templos. No Budismo as cinzas não são espalhadas em bosques, cidades, campos ou mar. As cinzas são um referencial da ancestralidade do familiar onde a mãe de um filho pode ir até o local das cinzas e fazer sua prece, sua oração em sua memória, não espargir as cinzas é manter a memória viva daqueles que já se foram.

 

Redação/ Vaticano


Compartilhe essa notícia:

A Vaticano possui a mais completa estrutura para melhor atender seus clientes, contando com Capelas de Velório, Cemitério, Crematórios, Crematórios Pet, Floricultura e Distribuidora de Flores. Buscamos constantemente o aprimoramento no atendimento às famílias enlutadas e de nossos profissionais. Estamos sempre em busca de inovações no setor. É uma empresa de origem familiar, e hoje, é administrada pela terceira geração.