Saiba como diminuir a ansiedade de separação do seu pet durante a quarentena!

Saiba como diminuir a ansiedade de separação do seu pet durante a quarentena!

A ansiedade de separação ocorre quando os animais de estimação passam por longos períodos sozinhos. Principalmente aqueles que estão acostumados a ter seu tutor sempre por perto. Quando ficam muito tempo sozinhos começam a latir bastante, arranham portas, alguns até se machucam, outros tentam fugir, eles ficam literalmente desesperados.

Divulgação

E agora que o mundo vive   uma das crises mais complicadas e assustadora da história da humanidade, perto de chegar uma crise econômica, onde todos enfrentam o isolamento social, tendo que ficar em casa, os que podem trabalham em suas casas. Por conta disto, a aproximação do animal com seu tutor fica mais intenso. Por não se relacionar com outras pessoas os tutores acabam estreitando mais ainda o laço afetivo com seu pet. Com o gato também ocorre, porém é mais fácil de trabalhar o processo de separação porque eles têm uma natureza mais independente. O cachorro é mais dependente, carente e mais apegado ao seu tutor.

Portanto, aos que possuem animais de estimação já precisam pensar nessa transição quando a rotina voltar ao normal e todo mundo voltar a trabalhar.  Quem mais vai sofrer nesse processo é o animal por ter a sensação de abandono, mal-estar, por ficar “preso” e sozinho dentro de um apartamento, casa ou quintal.

Já são cerca de três meses que a rotina de muitos pets mudou, eles estão acostumados com seus tutores em casa, com aquela rotina de estar todos juntos.

No entanto, vamos deixar aqui algumas dicas para que os tutores comecem a trabalhar desde já, na quarentena, para que a ansiedade de separação não ocorra de forma brusca. A transição deve ser feita de forma tranquila. Começar a deixar o animalzinho por alguns momentos do dia sozinho. O importante é ele saber que o tutor saiu, mas que vai voltar. Por exemplo, ir a uma padaria comprar pão, ir ao mercado, farmácia. Até mesmo descer na área comum do prédio e ficar por lá por alguns minutos. Na hora de sair não fazer grandes despedidas como ficar muito tempo abraçado ao pet, dar muitos beijos, porque o animal vai sentir que seu tutor vai sair e ele vai ficar muito tempo sozinho, ele poder ficar ansioso com essa dinâmica. Essa dica também vale para a volta pra casa.

Divulgação

O tempo para ficar longe do pet pode ser estendido aos poucos, de início começa com 5 minutos, e depois vai aumentando aos poucos. Outra dica é manter o pet sozinho mesmo dentro de casa, em um ambiente que ele possa se sentir confortável, no quarto, por exemplo. Esse espaço pode ser enriquecido com atividades que ele possa fazer sozinho e sentir prazer. Como colocar brinquedos recheáveis, ossos que ele possa fazer interação, essas dinâmicas vão estimular o cachorro a gostar de ficar sozinho. Se o animal ficar agoniado, colocar uma música calma no espaço também funciona, canções clássicas ou próprias para relaxamento de cães. Proporcionar um ambiente confortável e agradável que estimule prazer e interação ao pet ajuda muito nesse processo.

A ajuda de profissionais como os que passeiam com animais ou pet sitter também são uma boa dica, principalmente se for um animal que precisa gastar muita energia, ou se for um pet que não gosta de ficar sozinho.

Pode até parecer cruel iniciar o processo de separação em tempos de quarentena, mas não é. Se começar a pensar e a pesquisar já sobre o assunto e começar o trabalho, o impacto vai ser menor do que mudar radicalmente onde o bichinho de estimação pode sofrer muito mais.


Compartilhe essa notícia:

A Vaticano possui a mais completa estrutura para melhor atender seus clientes, contando com Capelas de Velório, Cemitério, Crematórios, Crematórios Pet, Floricultura e Distribuidora de Flores. Buscamos constantemente o aprimoramento no atendimento às famílias enlutadas e de nossos profissionais. Estamos sempre em busca de inovações no setor. É uma empresa de origem familiar, e hoje, é administrada pela terceira geração.

2º via Boleto